Arquivo da tag: diagnóstico

Sarcopenia: Conhecer para diagnosticar!

A diminuição progressiva da massa muscular esquelética é uma mudança grave associada ao envelhecimento, pois pode levar a baixa resistência e perdas na funcionalidade. A sarcopenia é definida como a perda de massa e força muscular relacionada à idade. No entanto a EWGSOP (European Working Group on Sarcopenia in Older People) propõe três critérios para o diagnóstico dessa condição:

  1. Perda de massa muscular
  2. Baixa força muscular
  3. Baixa resistência física

O diagnóstico de sarcopenia dar-se-à na presença do primeiro critério associado com o segundo ou o terceiro critério. O grupo sugere o reconhecimento da sarcopenia como síndrome geriátrica, uma vez que, é prevalente na população idosa.

Os mecanismos envolvidos na sarcopenia incluem a síntese protéica, proteólise, integridade neuromuscular, quantidade de gordura muscular, dentre outros. Embora freqüentemente relacionada ao processo de envelhecimento, a sarcopenia pode ocorrer em adultos e jovens, o que pode ser um bom motivo para classificá-la de acordo com a etiologia, como a seguir:

  1. Sarcopenia primária: quando não há outras causas evidentes, exceto o próprio envelhecimento
  2. Sarcopenia secundária:

B1. Relacionada à atividade: restrição ao leito, estilo de vida sedentário, baixo condicionamento ou condições de gravidade zero.

B2. Relacionada à doença: cardiopatias, pneumopatias, doenças inflamatórias, malignidades e doenças endócrinas.

B3. Relacionada à nutrição: dieta inadequada, má-absorção, doenças gastrointestinais e uso de medicamentos que causam anorexia.

A sarcopenia também é classificada em estágios de acordo com a gravidade, mediante a presença dos critérios já mencionados, como na tabela a seguir:

Identificando a sarcopenia na prática clínica

As variáveis mensuráveis na identificação da sarcopenia são: massa muscular, força e desempenho físico. O desafio é selecionar os melhores métodos de avaliação para cada uma dessas variáveis. A avaliação da massa muscular requer a realização de exames específicos a serem solicitados e orientados por um médico, enquanto a da força muscular e o desempenho físico são possíveis de serem mensuradas por um fisioterapeuta ou educador físico. A seguir são apresentados os métodos mais utilizados para a avaliação da força muscular e do desempenho físico, na pesquisa e na prática clínica:

 

No Setor de Reabilitação Gerontológica do Lar Escola São Francisco utilizamos para a avaliação do desempenho físico o Time Up and Go Test (TUGT) e o teste de sentar e levantar que faz parte do SPPB. Para a avaliação da força muscular utilizaremos em breve, a força de preensão palmar mensurada por meio do dinamômetro manual, que será adquirido com a verba do Concurso Talentos da Maturidade – Santander, pelo qual o Setor foi contemplado.

Como resultado após uma revisão da literatura, o EWGSOP sugere o algoritmo a seguir para identificação da sarcopenia nos indivíduos idosos:

Repercussões funcionais da Sarcopenia para os idosos

A sarcopenia, por se tratar da perda de massa muscular associada à diminuição da força muscular e/ou do desempenho físico, repercute nas habilidades funcionais dos idosos, ou seja, na capacidade dos mesmos realizarem suas atividades de vida diária, especialmente as que requerem maior mobilidade e resistência. Essa repercussão desencadeia um ciclo vicioso, no qual, o idoso gradualmente reduz a freqüência de suas atividades, a intensidade e a duração, até o ponto de abandoná-las e se tornar incapaz de realizá-las de forma segura e satisfatória. Dessa forma, a fraqueza muscular se intensifica pelo mecanismo de desuso, podendo também, estar associado às disfunções nutricionais, dentre outras condições socioeconômicas e psicossociais. O resultado se traduz em quedas, incapacidade, isolamento, depressão, podendo levar a maiores chances de hospitalização, institucionalização e morte.

Preconiza-se que esses acontecimentos sejam evitados, por meio da identificação precoce da sarcopenia e em seguida, do encaminhamento para um serviço de reabilitação especializado. A intervenção da equipe multidisciplinar, especialmente, geriatra, fisioterapeuta e nutricionista tende a reduzir os riscos de progressão e prevenir eventos adversos da sarcopenia.

Fonte:

ALFONSO J. CRUZ-JENTOFT, et al. Sarcopenia: European consensus on definition and diagnosis. Age and Ageing 2010; 39: 412–423

Licença Creative Commons
Sarcopenia: Conhecer para diagnosticar! de http://wp.me/p1dHJ9-4k é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em https://reabgeronto.wordpress.com/fale/.

Anúncios

Participação no II Encontro de Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais da Sociedade Beneficente Alemã

No dia 23 de outubro a Sociedade Beneficente Alemã (SBA) promoveu o II Encontro de Fisioterapia e Terapia Ocupacional nas dependências do Lar Recanto Feliz, uma instituição de longa permanência para idosos mantida pela SBA. O tema do evento foi “Instrumentos Avaliação em Gerontologia” e contou com intensa participação do Lesf em duas das três conferências. Os participantes receberam as boas vindas pelo gerente geral da instituição, Sr. Nélio Tavares.

Na seqüência, a coordenadora do setor de Reabilitação Gerontológica, Renata Cereda Cordeiro, proferiu a palestra “Diagnóstico Fisioterapêutico em Gerontologia”, instigando os participantes a adotarem um raciocínio diagnóstico congruente com o corpo de conhecimento da Fisioterapia, seus marcos legais e as demandas em saúde da população idosa em cada modalidade de assistência. Foi enfatizada a adoção da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) como modelo conceitual para o raciocínio clínico, como facilitadora da unificação da linguagem entre os diversos membros da equipe e sistema de classificação diagnóstica.

A CIF pode ser adquirida diretamente nas lojas da editora, a Edusp.

Em seguida, a diretora superintendente do Lesf, Júnia Jorge Rjeille Cordeiro proferiu palestra intitulada “Utilização da Lista de Papéis Ocupacionais em Gerontologia”. Tomando-se como ponto de partida a própria CIF, foi destacada a relevância prática da investigação minuciosa do nível de atividade e participação da pessoa idosa como ponto de partida para a avaliação de seus determinantes, bem como para o planejamento da assistência em Gerontologia.

A última palestra, “Funcionalidade e envelhecimento: o papel da CIF”, proferida por Katyana Mendes da Silveira, reforçou ainda mais a urgência da adoção desse sistema de classificação diagnóstica dos estados relacionados à saúde para os profissionais presentes. Lançada em 2001 pela Organização Mundial da Saúde e traduzida em 2003 para o nosso idioma, vem sendo timidamente usada nos serviços de atenção à saúde do idoso e pioneiramente empregada no setor de Reabilitação Gerontológica desde sua criação, antes mesmo da validação da tradução. Seu caráter multidimensional é a principal característica para o alcance da integralidade tão almejada na assistência à pessoa idosa.

O evento foi encerrado pela gerente de saúde e bem estar, Janaína Balabanowa, que demonstrou grande satisfação com os conhecimentos disseminados e imensa gratidão aos fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais pelo seu papel essencial na instituição e na sociedade, aproveitando para cumprimentá-los pelo seu dia, 13 de outubro.

Ao término do evento, a coordenadora do setor de Reabilitação Gerontológica do Lesf visitou as dependências da ILPI, atendo-se mais longamente às dependências do serviço de reabilitação. Foi, sem dúvida, uma manhã de trocas acadêmicas intensivas e possibilidades de futuras parcerias entre as duas entidades filantrópicas.

 

equipe SBA2 23 10 10

Visita ao serviço ambulatorial de reabilitação do Lar Recanto Feliz (SBA). Fisioterapeutas, fonoaudiólogas e terapeutas ocupacionais marcaram sua presença no evento.