Arquivo da tag: gestão

Página A2 do Estado de São Paulo e o Setor de Reabilitação Gerontológica hoje: reflexões com pitadas psicanalíticas

Desde o início de julho deste ano tenho esperado pela sensação de urgência necessária ao propósito de relatar o que ocorreu nessa época ao setor de Reabilitação Gerontológica do Lar Escola São Francisco e ao projeto “Resgatando a autonomia da pessoa idosa” que nele era executado. Tangenciei uma tentativa tímida de relato no menu Quem Somos, mas, sem anunciar as mudanças nessa página estática num post normal, sabia que a mensagem não chegaria. E eu mesma não queria que chegasse. Coisas das forças da resistência, ao bom e velho estilo freudiano.

Sempre que minha alma geminiana sedenta por comunicação sentava-se à frente de alguma das nossas novas máquinas de escrever, meus dedos nervosos se entrevavam diante da lembrança da fala de um líder imediato no ato de seu despacho em maio, dentre outras coisas sugerindo a mim cuidado com o que escrever nas redes sociais, pois o “Universo da Reabilitação é muito pequeno”. À parte o tom ameaçador da figura de autoridade que me remetia sem escalas à imagem da censura prévia (hoje apelidada carinhosa e eufemisticamente  de “controle social da mídia”), ainda nos restava lidar com os desafios de encaminhar dignamente os idosos do setor para outros equipamentos da rede de saúde e começar a batalha quixotesca por manter pelo menos parte do projeto em funcionamento em outro lugar. Sobre a verba remanescente de menos de meio ano de apoio financeiro do Talentos da Maturidade, que viabilizaria esse nosso segundo desafio, nada sei a respeito, passados quatro meses de sua última utilização.

O fato é que o setor de Reabilitação Gerontológica do Lar Escola São Francisco não mais existe e arrastou consigo para a cova rasa o projeto premiado. Foi literalmente extinto e a equipe, dispensada em sua totalidade. Morto ainda adolescente, aos seus aproximados 16 anos. Não sobreviveu à incorporação por um gigante da Reabilitação. Aquela instituição de quase 70 anos que não temia, ao contrário, fomentava a inovação, sucumbiu já idosa e abriu espaço para uma nova lógica, menos congruente com as transformações demográficas e epidemiológicas que vivemos na atualidade.

E o que fazer com todo esse abalo às nossas emoções e ao senso lógico e acadêmico sempre presente em nosso grupo de profissionais? A palavra fechar, a mesma usada para extinguir de fato, deve ser internalizada em nossos corações  e nossa alma que sofrem por saber que hoje há um equipamento inovador a menos para a população idosa. Somente no ato subjetivo de fechar é que poderemos nos sentir abertos ao novo, aos novos rumos e caminhos. Se no passado nada distante os caminhos escolhidos nos levaram ao êxito, com a ampliação de nossas capacidades e habilidades em lidar com a saúde integral da pessoa idosa no SUS, o futuro não poderá ser diferente. Ao contrário, se estivermos alinhados a gestões de saúde de fato inovadoras, o objetivo subjacente à nossa tão sonhada premiação no concurso será finalmente alcançado: a multiplicação da ideia e do fazer gerontológicos.

E o que a coluna Espaço Aberto (pág. A2) do Estado de São Paulo tem a ver com tudo isso? Não fossem as lágrimas que se deixaram escorrer livremente pela leitura do texto do Prof. Dr. Eugênio Bucci de hoje (01/11/12), eu talvez continuasse a negar que os ciclos se fecham sem que consigamos manter controle sobre ameaças totalmente externas. O artigo dá conta de dois significados para o mesmo significante: o de fechamento de redação – ato típico do jornalista – e de fechamento empresarial – aquele que representa o morticínio do trabalho por vezes de décadas de uma equipe. O que ocorreu comigo enquanto lia a opinião publicada hoje sobre o fechamento do Jornal da Tarde (ironicamente também sofro por isso, pois era, até ontem, assinante desse jornal!) foi outro fenômeno psicanalítico: a identificação. Me enxerguei com a nitidez de um espelho de cristal. Senti cada palavra e praticamente pude ouvir os aplausos do sexto andar do prédio do Estadão. Passamos por isso. Vivemos isso. Também sabemos o que é isso. E agradeço pelo mais incrível texto que jamais imaginei que leria. Guardarei com carinho tanto a última edição do JT e a primeira do Estadão que chegou a mim.

Que o professor me permita divulgar na íntegra aqui seu texto publicado e me desculpe por fazer com ele um exercício criativo proposto por uma psique pululante: ao ler o artigo, sintam o efeito que ocorre ao substituir mentalmente os termos “jornalista” por “profissional de saúde”; “fechamento do jornal”, quando dito da forma positiva, como “fechamento terapêutico”; e “JT” por “Setor de Reabilitação Gerontológica”.  Minha análise lacaniana terá muito conteúdo para hoje…

__________________________________________

Os dois fechamentos do ‘Jornal da Tarde’

por Eugênio Bucci

Para quem ainda não admite que o sentido das palavras muda conforme a classe social do cidadão que a pronuncia, aí vai mais uma: o verbo fechar, ou, se você preferir, o substantivo fechamento.

Se um jornalista diz que vai fechar o jornal, nada de novo sob o Sol. Após o fechamento (feito pelo jornalista), o diário vai para as rotativas e, depois de impresso, dobrado, refilado e encadernado, cairá, exemplar por exemplar, naqueles saquinhos plásticos alongados, dentro dos quais voarão por cima dos muros das casas dos assinantes, com notícias supostamente frescas. Quando o jornalista fecha, estamos em vida normal. E boa. Antigamente o fechamento era até comemorado, noite após noite. No tempo em que se fumava em cima da máquina de escrever, o pessoal fechava a edição e depois esticava a conversa em torno de um chope.

Hoje, como antes, fechamentos fazem subir o estresse e têm aquele tom ameaçador da “vitória do caos sobre a vontade augusta de ordenar a criatura”, mas, invariavelmente, terminam mais ou menos bem. Não se tem registro de um fechamento que não tenha, por assim dizer, fechado. O que faz a diferença, o que distingue um bom editor, é saber fechar bem. Saber fechar está para o profissional de imprensa assim como saber “finalizar” – no jargão do futebolismo pós-moderno – está para o artilheiro. Embora a qualidade editorial resida não no fim, mas no início do processo, com pautas bem concebidas e bem planejadas, os jornalistas vangloriam-se de ser grandes fechadores, mesmo quando não o são. O verbo fechar, enfim, é constitutivo da profissão, como um verbo positivo.

Agora, se a gente se afasta da redação e se aproxima dos escritórios da chamada gestão empresarial, a pior coisa que pode existir é um patrão que gosta de fechar. Quando o dono anuncia que vai fechar um jornal, até as rotativas empalidecem. O sentido do verbo se inverte, mortalmente. Jornalista, quando fecha, faz o jornal viver, mas o empresário, ao fechar, mata.

Infelizmente, é desse fechamento (fechamento no sentido empresarial) que se tem falado cada vez mais. Nos países que eram chamados de “ricos” até há dois ou três anos, alastra-se uma crise drástica: veículos impressos caem como frutos cujo tempo já foi, num morticínio sem recurso. Nos Estados Unidos, a partir da quebradeira de 2008, a devastação afetou principalmente os diários locais (que viviam dos classificados do mercado imobiliário, nada menos que o cerne do desastre financeiro daquele ano), numa derrocada que foi imediata e minuciosamente descrita no relatório The Reconstruction of American Journalism (um nome otimista para um cenário tétrico), escrito pelos professores Michael Schudson e Leonard Downie Jr. e editado pela Escola de Jornalismo de Columbia em 2009 (disponível na internet). Desde então o quadro só piorou. Recentemente a revista Newsweek avisou que depois de dezembro de 2012 suas edições impressas serão extintas. Quanto à Time, não anda passando muito bem, mais fina que um folheto de missa dominical.

No Brasil, onde os números parecem saudáveis e a circulação dos diários cresce, os sinais do estrangulamento vão pipocando. Ontem pudemos sentir mais um desses, com o fechamento do Jornal da Tarde. A última edição do JT circulou exatamente ontem, dia 31 de outubro de 2012. “No mundo todo, a competição das novas mídias digitais têm afetado os seus jornais”, explicou o texto Missão cumprida, publicado na página 6A da edição de ontem. “Nesse contexto, o JT teve sua circulação reduzida, assim como seu número de anúncios. O Grupo Estado tentou diversas medidas para revitalizar o JT, mas decidiu focar sua estratégia para o futuro no seu principal título, O Estado de S. Paulo.”

Aqui, a palavra fechamento vira sinônimo de falecimento. O JT está morto. Morreu aos 46 anos de idade. Os jornalistas de São Paulo estão de luto, como de luto estão os leitores, ainda que poucos. Um jornal que se fecha é uma voz que se cala, ou, mais ainda, como uma língua que desaparece, seja porque os falantes minguaram, seja por força das guerras, que dizimam a memória e a identidade dos povos conquistados. Bons jornais são uma cultura à parte, têm um léxico próprio, um “idioma” inconfundível.

Bem sabemos que jornais e revistas abrem e fecham (no sentido empresarial) o tempo todo; nascimentos e mortes são normais, corriqueiros, tanto para os seres humanos como para os órgãos de imprensa, embora nestes a mortalidade infantil seja bem mais alta (dos novos veículos são lançados nas bancas todos os meses, a maioria não sobrevive aos dois ou três primeiros anos). Mas o falecimento do JT não cabe na categoria das trivialidades. Trata-se de um passamento de outra ordem. Nas suas páginas se deu uma renovação jornalística que irrigou todo o ambiente da imprensa, em texto, no design e no uso da fotografia (no JT, uma única foto, imensa, sem que fossem necessárias palavras, era capaz de sintetizar sozinha a notícia e seu sentido). A sua redação ficará como um ponto de luz na história da imprensa paulistana, apesar das sombras que o levaram a desaparecer melancolicamente. Estamos realmente de luto.

No fim da tarde de terça-feira, por volta das 18 horas, um longo aplauso (longo mesmo, longo de três minutos) ecoou no sexto andar do prédio do Estadão, na Marginal do Tietê. Eram os jornalistas de todas as redações do grupo aplaudindo o último fechamento (no sentido jornalístico) do jornal que seria fechado (no sentido empresarial) no dia seguinte. Eram palmas de um funeral. Nos próximos dias os cronistas se ocuparão de lembrar os talentos que por ali criaram peças memoráveis e os episódios folclóricos do JT. Agora, fiquemos apenas com isto aqui, que não é nem um obituário; talvez seja apenas um lamento metalinguístico, um réquiem sem nomes próprios. O nosso mundo está menor e eu penso nisso enquanto fecho mais este artigo.

* JORNALISTA,  É PROFESSOR DA ECA-USP E DA ESPM

_______________________________________

Última reunião de equipe (jun/2012), com o clima festivo a que o texto do Estadão me remeteu.

Momentos finais do setor. Esvaziamento das salas em 03/07/2012.

Licença Creative Commons
O trabalho Página A2 do Estado de São Paulo e o Setor de Reabilitação Gerontológica hoje: reflexões com pitadas psicanalíticas de Renata Cereda Cordeiro foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença em https://reabgeronto.wordpress.com/fale/.

Anúncios

O setor foi premiado na 12ª edição do Concurso Talentos da Maturidade do Santander!

Este post foi criado para expressar a imensa satisfação que estamos sentindo com  a vitória do Setor de Reabilitação Gerontológica do Lesf na 12ª edição do Concurso Talentos da Maturidade do Grupo Santander, categoria Programas Exemplares. Farei uma breve narrativa da história dessa conquista.

Criado em 1999, em homenagem ao Ano Internacional do Idoso, o Talentos da Maturidade é mais do que um concurso, é uma iniciativa transformadora que tem como intuito despertar um novo olhar da sociedade sobre a Terceira Idade. A categoria Programas Exemplares foi criada há 4 anos para apoiar iniciativas que, além de reconhecerem os valores do idoso, estão empenhadas em fazer com que eles tenham mais qualidade de vida e que seu papel na sociedade seja valorizado. Ser um dos 5 vencedores nessa categoria que, a exemplo das demais, ocorre em nível nacional, significa receber apoio financeiro (R$ 70.000,00) para a implantação, desenvolvimento, consolidação e aprimoramento de propostas novas ou existentes já em andamento. E esse é o caso do nosso setor. Além desse apoio, está garantida a consultoria especializada em gestão de serviços por um ano.

A exemplo da maioria das instituições filantrópicas que oferecem assistência à saúde, o déficit financeiro é uma realidade presente. “Saúde não tem preço, mas tem custo”, frase de uso corrente em nosso meio que bem retrata as dificuldades com contratação de capital humano qualificado, materiais para atendimento e tecnologia. Nossa sustentabilidade financeira pauta-se na receita gerada pelo repasse do SUS, Oficina Ortopédica, Bazar Samburá, e curso de especialização em Reabilitação Gerontológica. No entanto, a principal ameaça sempre foi o exíguo número de colaboradores no setor. Como fazer Gerontologia sem equipe interprofissional?? Na verdade, a temeridade sempre foi a assumida dependência que tínhamos dos cursos de especialização, pós-graduandos e as parcerias com graduações. Sem aluno, sem equipe… Alto risco! Essa portanto foi a maior motivação para buscarmos o auxílio financeiro e consultoria.

A decisão por apresentar o serviço num projeto intitulado “Resgatando a autonomia da pessoa idosa: serviço de Reabilitação Gerontológica do Lar Escola São Francisco” ocorreu em meados de abril deste ano. Começamos a reunir dados e a conhecer com intimidade o edital desde essa época. Quando houve a abertura das inscrições em junho, notamos apenas pequenas diferenças em relação ao edital de 2009, de modo que os ajustes foram simples. Contamos com a colaboração do setor de Desenvolvimento Institucional, Recursos Humanos e Controladoria e Gestão da Qualidade, afinal, um projeto de alto nível deve mostrar competência administrativa além de gerontológica. Assim como em Gerontologia, em Gestão não se trabalha isolado… Essa é mais uma vantagem de ser gerontóloga!

Em menos de 30 dias da submissão do projeto, que foi em final de setembro, recebemos a visita de um membro da comissão julgadora, Fábio Ribas Jr. e de um membro da área de Projetos Sociais do Grupo Santander. Pudemos expor detalhadamente nossa proposta, apresentamos os espaços físicos, recursos terapêuticos e parte da equipe. Ao saírem da instituição, fizemos uma prece diante da imagem de São Francisco no hall da capela…

Passados 15 dias de expectativa, recebi a ligação que mudaria os rumos do nosso setor e de nossa instituição: fomos contemplados com o prêmio e o reconhecimento de sermos mais um “talento da maturidade”! Reflexo da maturidade do setor, da instituição e de nossa equipe. O primeiro grande passo para a certeza da excelência!

No dia 21/11/10 eu e minha parceira, a psicóloga Inês, fizemos o check-in no Sheraton Hotel (WTC). No saguão do hotel, qual não foi minha surpresa ao ver outro grande contemplado, amigo e parceiro na luta pela assistência ao idoso, Edelmar Ulrich, acompanhado por Alberto Horita, da Associação dos Familiares e Amigos do Idoso – AFAI centro dia! Nos abraçamos longamente. Os únicos contemplados de São Paulo! E vizinhos! Foi muito emocionante.

Foi oferecido um jantar de confraternização, bem intimista, para os 25 vencedores e seus respectivos acompanhantes. Também foi feita a entrega simbólica do cheque. Posso dizer sem receio que amizades começaram nesse dia!

No dia 22/11, uma extensa rotina de atividades: massagens (3 tipos, uma coisa estressante…), unhas, almoço, cabelo, maquiagem, sessão de fotos publicitárias para a revista VEJA e demais divulgações. Ufa! Enfim, à noite teríamos a grande festa de premiação, com coquetel para conhecermos melhor cada trabalho de cada categoria. O nervosismo a essa altura já tomava conta: sabíamos que encararíamos quase 1.5oo pessoas, fora aquelas que puderam assistir ao vivo pela internet! 

 

 

Muito bonita a conduta do concurso em oferecer esse grande evento para as pessoas idosas que concorreram com seus belos trabalhos, mesmo não tendo sido contemplados.

Bem, nossa categoria foi a primeira a ser chamada, após uma linda intervenção musical da Família Lima. Maurício Kubrusly era o apresentador do evento. Fomos as últimas a serem chamadas, porém, tive a chance de exprimir tudo o que queria e temia não poder – por ansiedade aguda ou pouco tempo de microfone. Principalmente, pude dedicar o prêmio à memória da fundadora do Lesf, a educadora Maria Hecilda Campos Salgado, que com sua generosidade e longevidade ativa tanto nos inspira! Pasmem: essa fala – atrelada à idade com que ainda trabalhava em sua obra, 96 anos – evocou aplausos sem que eu sequer terminasse minha fala! Esse foi outro momento emocionante dentre tantos dessa noite mágica.

Assistimos atentamente aos demais premiados e suas belas falas. Aproveitamos ao máximo os shows de Jairzinho, e Jair Rodrigues que prefere autorreferir-se como “seminovo” a “velho”! Que figura!…

Inconformadas com a falta de um espumante na festa, nós,  mulheres premiadas da noite – eu, Inês, Iadya, Maria Luiza, Carla e Tatiana – passamos uma parte do restante da noite no Sheraton de pijama, falando de nossos amores, conquistas, outros talentos, tudo regado a um bom prosecco da casa Chandon…

Terça-feira, 23/11: check-out às 11h. Antes disso, nos despedimos de alguns de nossos novos amigos que voltaram a fazer referência à minha fala: “foi a melhor fala da noite, avaliada pela mesa das Letras!” Que linda homenagem! Com toda essa alegria, pegamos nossa lembrancinha, entramos no carro que já nos esperava para nos levar ao Lesf e retomamos a rotina. Só que a rotina nunca mais vai ser a mesma…

Mesa da categoria Programas Exemplares

 

Eu à direita na foto e Inês à esquerda

Este post é assinado por Renata Cereda Cordeiro.

Detalhes sobre o projeto, demais vencedores e fotos da premiação podem ser acessadas aqui.

Veja o album com fotos selecionadas clicando aqui.